Creative Commons License
Todos os Textos do Blog de Deijivan Hanavan são licenciados sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil

SONHOS E DESEJOS

terça-feira, 27 de abril de 2010

É engraçado como grandes pensamentos e inesperadas soluções ocorrem na mente humana em situações totalmente estranhas e banais. Fico pensando que as grandes descobertas cientificas possam ter sido originadas de um insight num momento absolutamente normal, num lugar longe dos grandes centros de pesquisa e laboratórios.

Talvez Isaac Newton tenha pensado sobre a gravidade em outro momento, antes dele ter se sentado a sombra de uma macieira. Talvez ele tenha pensado nisto enquanto fazia suas necessidades fisiológicas sentado num vaso sanitário, indagando o porquê das suas fezes irem sempre para o mesmo caminho ao invés de saírem voando pelo banheiro! Mas isto ficaria muito feio nos registros da história da humanidade.

O que quero dizer é que boa parte dos insights geniais acabam acontecendo em momentos e situações que nada têm a ver com a elucidação das questões que nos atormentam. A mente humana age assim, de forma engraçada, como se fosse uma “pegadinha” premeditada em nossa lógica!

E na tarde deste domingo, dia 25 de abril, fui agraciado com uma dessas “pegadinhas” cerebrais enquanto fazia uma caminhada. Mas não pensem que se tratava de uma caminhada tradicional, pois o intuito dela não tinha nada a ver com o meu bem-estar físico; pelo contrário, se tratava de uma caminhada até uma padaria de um bairro vizinho ao que resido, simplesmente para comprar um maço de cigarros! Acontece que o cigarro que eu fumo não se encontra facilmente, pois é de uma marca estrangeira e, por isto, às vezes tenho que procurar um local que os venda, quando não é possível ou quando me esqueço de comprá-los no lugar certo.

Pois bem, o dia estava lindo, com sol não muito quente e propicio para uma pequena caminhada. Abracei a empreitada e fui até a tal padaria, só que havia se acabado o estoque dos cigarros que eu procurava! Então fui informado que poderia encontrá-los num posto de combustível adiante, cerca de mais uns dois quilômetros.
Parei, olhei para trás e resolvi seguir o trajeto até o posto, afinal estava disposto a fazer uma bela caminhada e, além disto, estava com muita vontade de fumar!

Quem me visse caminhando poderia jurar que eu era mais um daqueles caras pós-geração Yuppie, que passam a semana dentro de um escritório e nos finais de semana se dedica a cuidar da saúde e do corpo, freqüentando academias e praticando caminhadas. Doce ilusão! E lá seguia eu, trajando uma camiseta regata, bermudas e tênis, com o pensamento muito distante de uma vida saudável, buscando saciar meu vício doentio.

Foram justamente durante estes dois quilômetros que me separavam do meu objetivo, que me ocorreu uma idéia muito interessante. Primeiro comecei a lembrar dos meus últimos dias, quando estava viajando pelo interior de São Paulo, passando por várias cidadezinhas em busca de fechar novos negócios e aproveitando para visitar velhos amigos da infância e da adolescência, os quais já não via há muito tempo.

Tive o prazer de rever três destes amigos, todos com a mesma idade minha. Foram visitas de surpresa, sem agendar nada e, por isto, acabei encontrando apenas estes três. Evidente que a conversa com cada um deles foi extremamente nostálgica. Relembramos principalmente nossas fases de adolescência, coisas acontecidas há vinte e cinco anos. Porém, quando estávamos falando sobre nossas vidas atuais, me ocorreu uma pergunta cretina: “E aí, conseguiu realizar os seus sonhos?

Não vou citar nomes, mas dois deles estavam com as vidas feitas, como se costuma dizer. O terceiro passa por um momento financeiramente preocupante, colhendo frutos de uma má administração da vida, como a maioria de nós. Mas a pergunta que não queria calar ficou na cabeça deles por pouco tempo, pois responderam enfaticamente. Os dois que estão em situações financeiras boas, com famílias formadas, donos de carrões e com mais tempo livre para curtir a vida, me disseram que estavam satisfeitos por terem conseguido realizar os seus sonhos. Ambos estão bem casados; possuem filhos lindos, saudáveis e estudiosos; belas casas (a que moram e também casas de praia e de campo); brinquedinhos de homem adulto (vide carros); um lar com as últimas novidades tecnológicas e tempo [e dinheiro] disponível para viajarem pelo mundo. Logo, pensavam que seus sonhos de adolescente foram plenamente realizados!

O terceiro, ainda solteiro e sem filhos, estava com o mesmo carro já há sete anos e, por uma trapaça do destino, tivera que voltar a dividir a mesma casa com a mãe! Amargou algumas derrotas da vida ao longo dos anos, quando viu o seu patrimônio ser dilapidado por dívidas homéricas, oriundas de negócios mal feitos com pessoas desonestas e também de aventuras financeiras em negócios que desconhecia o funcionamento. Este lamentou que houvesse chegado aos dias de hoje sem poder ter realizado nenhum dos seus sonhos de adolescente.

É claro que todos eles jogaram a mesma pergunta de volta. E após a armadilha da minha pergunta ser lançada de volta, eu tomava um bom gole de cerveja e via a minha vida passando em minha mente como se fosse um daqueles filminhos de flashback.

Sem pensar muito, respondi que consegui realizar a maioria dos meus sonhos, mas que ainda faltavam muitos outros. Afinal, a minha vida não é nenhum exemplo de vitória, pois passei e ainda passo por uma ciranda financeira interminável de altos e baixos. Quinze anos atrás eu era muito mais jovem e tinha muito mais dinheiro que podia esbanjar a vontade, como se o mundo fosse acabar no dia seguinte. Depois veio uma sucessão de crises e fases que me obrigou a segurar mais as rédeas da minha vida e, por fim, veio o meu filho, que tive a infelicidade de não ter acompanhado os primeiros anos da sua vida. Passei por vários relacionamentos, mas vivi junto, sob o mesmo teto, apenas com três mulheres. Até hoje não me casei oficialmente, mas tive o prazer de viver alguns anos como se fosse casado. Tive muitos carros que desejei, mas também tive momentos que desejava ter qualquer carro, só para não ter que enfrentar metrôs e ônibus! Enfim, uma vida repleta de altos e baixos e sem espaço para realizar meus sonhos.

E hoje, durante aquela caminhada, pensei muito sobre a questão dos sonhos e, num momento de puro insight, descobri que sonhos são muito diferentes de desejos! E o pior é que, no decorrer das nossas vidas, temos a tendência de confundirmos os nossos sonhos com os nossos desejos, aniquilando de nossa mente os verdadeiros sonhos e os transformando em simples desejos!

Constatação cruel esta! Foi então que refleti sobre as conversas que tive durante a semana que passou com os meus amigos de infância. Aqueles dois que acreditavam ter conseguido realizarem os seus sonhos, na verdade apenas realizaram desejos, enquanto que o terceiro que lamentava não ter conseguido realizar nenhum sonho, na verdade havia conseguido realizar o seu maior sonho!

Vou me explicar: um dos meus amigos afortunados, na época que tínhamos treze anos de idade e andávamos de bicicleta, parando em armazéns e bares para dividir coca-cola, havia confidenciado que o seu maior sonho era possuir uma identidade secreta que o possibilitasse andar por aí num carro igual ao do seriado “Super Máquina”, defendendo a sociedade de elementos fora da lei! O outro amigo afortunado era mais humilde e sonhava em aprender artes marciais com um legitimo samurai e passar alguns anos morando numa aldeia medieval no Japão. O terceiro, aquele que está enrolado nas suas finanças, sonhava em ser piloto de fórmula 1 ou pelo menos pilotar um carro desta categoria.

Na semana passada não me encontrei com nenhum paladino da justiça que dirige um Pontiac Trans AM preto aparelhado com um computador de bordo que atende pelo nome de Kit e nem muito menos me encontrei com um mestre Pai-Mei portador de uma longa barba branca e desenvoltura física de um personagem de Matrix. Mas, surpreendentemente, tenho certeza que me encontrei com um piloto de fórmula 1, pois o meu amigo que clamava as inconveniências da sua arruinada vida financeira, conseguiu pilotar um autentico carro de fórmula 1, mais especificamente um da equipe Williams, dotado na época de um poderoso motor BMW, durante uma caríssima viagem que fez pela Europa há uns dez anos, quando ainda gozava de um repentina ascensão financeira.

Portanto, justamente aquele que acreditava que não tinha realizado nenhum sonho, foi o único que realmente realizou!

E o meu sonho? Bem, infelizmente não realizei. Eu sonhava em ser um piloto de caça, mas o máximo que consegui foi ter me alistado na Aeronáutica!

Mas não tive apenas este sonho. Aos meus quinze anos de idade assisti uma reportagem no programa Fantástico sobre um homem com então 70 anos de idade que acabara de completar a realização de uma extensa lista de sonhos, feita quando tinha também quinze anos de idade. Achei incrível aquele fato e imediatamente comecei a redigir a minha lista de sonhos, que conclui quase dois anos depois. São ao todo 74 itens, dos quais realizei apenas três até o momento!

Mas isto não importa. Escrevi tudo isto apenas para mostrar como facilmente esquecemos nossos verdadeiros sonhos e como a vida nos engana atribuindo valores de sonhos aos nossos desejos. Com isto, quero enaltecer a importância dos nossos sonhos e estabelecer a diferença gritante, porém camuflada, que existe entre sonhos e desejos, e como um pode atrapalhar o outro.

Para realizar os seus sonhos você precisa se desfazer dos seus desejos. E isto não é nada fácil! Por exemplo: se uma pessoa sonha em ser um explorador de cavernas, fatalmente terá que abrir mão dos desejos de ter uma família e uma confortável residência no bairro do Morumbi ou em Moema, aqui em São Paulo, pois terá que viajar incansavelmente pelo mundo afora e ter como família apenas a sua equipe de trabalho.

O que será que vale mais, sonhos ou desejos? Hoje, com quase quarenta anos de idade, ainda não sei responder adequadamente esta pergunta, até porque descobri há poucas horas que existe uma enorme diferença entre estes dois termos.

Mas o mais engraçado e esquisito de tudo isto é que talvez a resposta a esta atual dúvida já esteja me perseguindo há algum tempo. Tudo bem, isto cabe mais uma explicação: eu tenho mania de colecionar recortes de jornal. Guardo notícias, artigos e propagandas que me interessam. Às vezes extrapolo um pouco nesta mania e acabo recortando até avisos mortuários! Foi o que aconteceu no dia 04 de março deste ano, uma quinta-feira, quando li o artigo “Valdo subiu na bike e foi dar uma volta ao mundo”, escrito pelo jornalista Estevão Bertoni na seção “Mortes” da Folha de São Paulo.

Este artigo falava sobre a morte de João Valdecir Vieira (1944-2010), conhecido por Valdo, um ex-padre que resolveu largar a batina e realizar um antigo sonho: dar a volta ao mundo em uma bicicleta!

A ligação entre este pequeno artigo e o tema que trato aqui aconteceu justamente na noite deste domingo, quando resolvi organizar estes meus recortes de jornais e me deparei justamente com o artigo sobre o Valdo. De início passou de relance, mas logo me veio à cabeça os pensamentos sobre sonhos e desejos que me ocuparam a mente durante a tarde. Tive que parar com o trabalho de organização dos recortes e me dedicar imediatamente à leitura daquele artigo. Minutos depois eu já estava sentado enfrente ao micro escrevendo este texto. Não consegui terminá-lo no mesmo dia e retomei a empreitada na noite de segunda-feira, para então publicá-lo na madrugada desta terça-feira.

A história do ciclista e ex-padre Valdo é surpreendente. Graças a uma Poupança que fez ao longo da vida, conseguiu juntar quase 60 mil reais que foram destinados para financiar o seu sonho. Já sabia de antemão que seria muito difícil arranjar patrocínios que bancassem toda a viagem e, por isto, se precaveu guardando dinheiro. Obviamente que teve auxílio também de amigos e familiares, além de simpatizantes que encontrou pelo caminho. Segundo as informações disponíveis no site do Valdo, ele recebeu 374 dólares de doações feitas por pessoas que ele encontrou durante a viagem.

A odisséia de Valdo é impressionante. Ele percorreu milhares de quilômetros em sua “bike”, apelidada de Tanajura, saindo de Joinville, Santa Catarina, no dia 15 de março de 2009, as 6h30 da manhã. Ao longo do trajeto percorrido, ele teve que caminhar a pé empurrando sua bicicleta por 927 km, enfrentando diversas ladeiras entre montanhas e desfiladeiros. Pelas estradas ele encontrou 26 cicloturistas, categoria de ciclistas que se empenham em longas viagens, e pôde se vangloriar de ter levado apenas cinco tombos durante todo o percurso!

Para nosso deleite, Valdo registrou todas as suas aventuras em um diário de bordo publicado em seu site, deixando muitas dicas sobre costumes locais, pontos de parada e alojamento e centenas de fotos e vídeos. Tudo foi muito bem catalogado, rendendo um material extremamente interessante.

O projeto todo da volta ao mundo em uma bicicleta deveria durar 1.460 dias, terminando em dezembro de 2012, podendo se estender até maio de 2013. Porém, infelizmente Valdo não conseguiu concluir o seu sonho. Ele conseguiu chegar até o México e se preparava para entrar nos EUA, quando publicou em seu site a ultima postagem em 22 de fevereiro deste ano. Dois dias depois, em 24 de fevereiro, o fabuloso ciclista Valdo, com 66 anos de idade, foi encontrado morto em sua barraca no acampamento do Restaurante Rancho Chapala, em Vila de Jesus Maria, na cidade de Baixa Califórnia, no México.

Valdo morreu dormindo, provavelmente devido a uma parada cardiorrespiratória. Mesmo não conseguindo realizar por inteiro o seu sonho, com certeza ele se foi satisfeito com a vida que teve. Foi um homem audacioso, que teve a coragem de deixar tudo para trás para poder se dedicar exclusivamente ao seu sonho. Abandonou os seus desejos e conquistas para seguir os caminhos que levavam ao prazer único da realização de um sonho!

Volto a perguntar: o que será que vale mais, sonhos ou desejos? 

Para finalizar, deixo duas frases de autoria do grande Valdo:

Tanta gente vive em circunstâncias infelizes e, contudo, não toma a iniciativa de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança, conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espírito, mas na realidade nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro."

"As pessoas que raciocinam muito antes de dar um passo viverão suas vidas sobre uma perna só."

27 comentários:

Tahiana Andrade 27 de abril de 2010 09:05  

Muito interessante. Acho que as pessoas nunca conseguirão realizar todos os seus sonhos e, ultimamente tenho refletido sobre o fato de que o processo para chegar ao sonho é muito mais bonito e interessante do que a própria realização do sonho.
Às vezes, parece que quando um sonho se realiza um vazio o substitui e se não encontrarmos um novo sonho para lutar seremos tomados por uma enorme frustração.
Provavelemente, esses seus amigos que disseram ter realizado todos os sonhos, precisarão sonhar coisas novas, mesmo que estas se resumam a conquistas financeiras fúteis, ou então se tornarão eternos frustrados sem terem percebido isso!

Amei o post.

Hefestos 27 de abril de 2010 11:11  

É engraçado como grandes pensamentos e inesperadas soluções ocorrem na mente humana em situações totalmente estranhas e banais. Fico pensando que as grandes descobertas cientificas possam ter sido originadas de um insight num momento absolutamente normal, num lugar longe dos grandes centros de pesquisa e laboratórios.

NAQUELE FILME UMA MENTE BRILHANTE, TEM UMA CENA NA QUAL O PERSONAGEM VIVIDO POR RUSSEL CROWE (UM MATEMÁTICO QUE CHEGOU A GANHAR UM PRÊMIO NOBEL)TEM A IDEIA DA DESCOBERTA DE UMA TEORIA DENTRO DE UM BOTEQUIM, NUM MOMENTO EM QUE ELE PAQUERAVA E ERA PAQUERADO POR UMA LINDA MULHER.E ESSA TEORIA MAIS TARDE LHE DARIA O PRÊMIO NOBEL DE MATEMÁTICA.
A CENA REFERIDA POR MIM É ESSA:
http://www.youtube.com/watch?v=0ZvKPr8es68&feature=PlayList&p=3F1D56B9119AB04D&playnext_from=PL&playnext=1&index=37

Magui 27 de abril de 2010 16:49  

O bom mesmo é o nirvana.Talvez traga menos espectativa e mais felicidade.Espero que um dos seus sonhos seja parar de fumar eis que o seu desejo é fumar cigarro estrangeiro.Buá!

Deijivan 28 de abril de 2010 03:06  

Magui, bem que eu gostaria de ter uma vida Zen, mas sinceramente isto não é pra mim! Quanto ao meu vício pelo fumo, quero que saiba que estou trabalhando para acabar com isto, ou pelo menos minimizar! Graças ao Serra e a sua Lei anti-fumo, diminui bem este consumo nocivo!

Deijivan 28 de abril de 2010 03:15  

Meu caro Hefesto, muito bem lembrado esta passagem do filme "Uma Mente Brilhante"!

Deijivan 28 de abril de 2010 03:44  

Tahiana, minha querida, você disse algo muito sábio: sonhar é algo tão lúdico e sublime que, por vezes, acaba sendo mais especial que a sua realização!

E essa fome de novos sonhos logo após a realização de algum sonho, nada mais é que o maior fator de motivação da raça humana!

Mulher na Polícia 28 de abril de 2010 10:00  

Deijivan,

Bom dia, querido!

Quando você fala que os sonhos às vezes têm que dar lugar aos desejos... eu penso que isso pode ser simplesmente obra da maturidade, será que não?

Meu sonho de infância era trabalhar para o Charlie (Charlie's Angel), mas o Charlie ou o seu correspondente na realidade tupiniquim não me agrada mais. Hoje, me realizo plenamente usando essa camiseta da polícia e pretendo me aposentar no que chego ao absurdo de considerar a minha versão adulta de uma Pantera. Uma mulher na polícia. rs

Eu acho que muitos sonhos são abandonados mesmo devido à dureza da vida, mas muitos são realizados não em sua forma original (e muitas vezes fantasiosa) mas com formas alternativas e sem perder aquele gostinho bom. Através dos filhos, por exemplo (meu pai disse que eu realizei um sonho dele).

O novo grande sonho que tenho hoje não existia ano passado. Porque o do ano passado já realizei, com a graça de Deus e também não sei se o sonho de hoje existirá amanhã.

Enfim, só queria dizer que penso que os sonhos e os desejos são dinâmicos e um mesmo sonho pode se apresentar com várias roupagens e se realizar, também, de várias formas.

Beijinho, meu lindo.

(Cada dia mais sua fã).

Deijivan 29 de abril de 2010 01:46  

Minha linda Police Angel, obrigado pela doçura! Saiba que também sou seu fã! ;>}

Gostei desta ideia de dinamismo dos sonhos e dos desejos! Em relação aos sonhos, talvez seja mais uma adequação das nossas fantasias à dura realidade. Já a dinâmica dos desejos pontifica novos posicionamentos diante de determinadas situações ou fases das nossas vidas.

É isto!

Beijos linda!

Tahiana Andrade 30 de abril de 2010 16:55  

Oi... vim te avisar que fiz novas mudanças no Idiotizando... passa lá!

Deijivan 1 de maio de 2010 04:12  

Minha querida Tahiana, vou visitar o seu blog agora! Se a mudança estiver relacionada àquele novo layout que você estava testando, será uma grata surpresa!

http://idiotizandonanet.blogspot.com

Anônimo 2 de maio de 2010 07:41  

Deijivan,

Belo o seu texto! Você escreve bem!

www.adonadosenadofederal.blogspot.com

Deijivan 2 de maio de 2010 19:35  

Muito obrigado, Anna! Acompanho o seu blog ( www.adonadosenadofederal.blogspot.com ) e posso dizer que o seu texto também é muito bom!
Abraços!

Tahiana Andrade 3 de maio de 2010 17:37  

Que bom saber que um blogueiro tão inteligente como você gosta do Idiotizando. Fico feliz que vcê tenha gostado das mudanças que fiz por lá!

Ah, quanto ao bug, estou tentando mudar mas atualizo o horário e ele volta ao horário errado. Vou ver isso direito mas, valeu a dica!

Deijivan 4 de maio de 2010 03:15  

Ok minha querida! Parabéns pelo novo visual do blog!
Continue assim, sempre inovando.
Bjs e obrigado pelo elogio!

Mulher na Polícia 4 de maio de 2010 09:16  

Bom dia, meu querido,

Não só publiquei o seu comentário, como deixei um link do site lá no blog.

Falando nisso, você já escolheu seu candidato ao Planalto?

Super beijo!

Deijivan 5 de maio de 2010 01:04  

Valeu minha querida!
Quanto ao candidato a presidência, ainda está cedo pra decidir. Sinceramente, nenhum até o momento me agrada! Vou aguardar os debates.
Beijão!

Antonio dos Santos de Oliveira Lima 12 de maio de 2010 19:34  

Olá, Diejivan,
Foi muito oportuna esta sua matéria sobre sonhos e desejos.Vando esteve em minha casa, na Praia do Preá, litoral Oeste do Ceará, município de Cruz.Foi um encontro casual, mas suficiente para criar uma grande amizade.Acompanhei a sua trajetória até o último dia,22/02, quando recebi a última mensagem.

Deijivan 13 de maio de 2010 03:59  

Meu caro Antonio, fico feliz em saber que gostou da matéria!

Valdo foi um grande homem que ousou realizar o seu sonho e, por isto, será sempre um exemplo de dedicação, superação, perseverança e humanismo!

Sinto pelo fato da mídia não ter dado o merecido destaque a este fabuloso ser humano e confesso que invejo você por ter tido a oportunidade de conhece-lo pessoalmente e, consequentemente, ter travado amizade com ele!

Abraços!

MARA 13 de maio de 2010 09:44  

DEIJIVAN !
Meu querido Valdo tinha outros sonhos, que acabaram se tornando meus, pela sua determinação, e meu sonho será realizar o seu...
A edição de seu quarto livro e a construção da Casa do Cicloturista... Como ele sempre me falou o sonho nunca acaba, ao realizar um já descobre-se outro com a mesma intensidade.

Sempre teremos sonhos a serem realizados!!!
Bjs fk com Deus!

CAROLINA 13 de maio de 2010 09:50  
Este comentário foi removido pelo autor.
CAROLINA 13 de maio de 2010 09:51  

Deijivan,
você não imagina a felicidade que me trás ver postado no seu Blog , visões tão verdadeiras sobre o Valdecir.. mais conhecido por mim como Tio (sou sobrinha neta dele). O que mais me entristece é o fato de pessoas bem mais próximas dele não ter tido a visão que você teve, e tbm por muitos não ter dado o valor merecido sobre seu feito! Cresci e aprendi muito com esse velinho sonhador, que de velinho só tinha a barba branca mesmo. Hoje com 23 anos corro atrás de realizar sonhos e aprendi isso com ele.. não que eu já tenha me desligado dos meus desejos .. na verdade eles andam lado a lado , mais com o tempo isso muda! Vim te agradecer pela mensagem sobre meu grande Tio, e dizer que adorei seu texto.

Obrigada.

Carolina!

Deijivan 14 de maio de 2010 03:13  

Mara e Carolina, mãe e filha respectivamente e ambas parentes muito próximas deste notável homem conhecido simplesmente por Valdo; simples no nome, simples em suas convicções, simples no sentido de levar a vida na máxima simplicidade que deveria ser vivida por todos, pois foi com esta simplicidade, esta facilidade de se entender com todos, de fazer amizades e de espalhar a bondade e o amor ao próximo da maneira mais simples possível, enfim, com este excesso de simplicidade que Valdo se fez um ser único, pois soube mostrar a todos o quanto necessitamos valorizar as nossas vidas, já que a vida em si é algo tão simples e tão frágil, que acabamos esquecendo ou não entendendo este fato e, diante desta "cegueira" para com a simplicidade da vida, insistimos em transforma-la em algo complexo e difícil de digerir!

Mara e Carolina, tenho certeza que quando a humanidade passar a enxergar a vida pelos olhos do Valdo, seremos então pessoas mais felizes, mais otimistas e mais simples!

E como você, Mara, disse, novos sonhos e novos objetivos se fazem a cada dia, a cada enfrentamento e a cada nova conquista, somando valores e sentimentos que nos guiam por este trilhar mágico da vida!

E quero deixar registrado aqui neste humilde espaço, para que vocês e todos mais saibam, que sempre alimentei um grande sonho que ainda não sei quando e como realizar, mas que graças ao Valdo, já sei agora qual o conteúdo que preencherá este meu sonho.

Explicando-me: já produzi e dirigi quatro documentários em vídeo que se transformaram em mini-séries exibidas pela TV Band da região do Vale do Paraíba, SP e por uma retransmissora da TVE do RJ. Além disto, fui responsável pela produção de alguns vídeoclips telecinados e documentários institucionais e de treinamento, mas sempre sonhei em produzir ou dirigir um filme longa-metragem. Por algumas vezes na minha vida, estive próximo de encarar este projeto, mas me desviei dessas possibilidades simplesmente porque não conseguia escrever um grande roteiro ou imaginar uma grande história que desse suporte a este sonho.
Porém, desde que fiquei conhecendo a história do Valdo, passei a pensar que talvez esta seria a grande história que poderia se transformar em um filme! Evidente que há muitos percalços para que isto se concretize, mas digo a vocês em primeira mão que este é agora um grande sonho que alimento.

Entendo que ainda não seja o momento certo e que este não seja o lugar mais adequado para falar sobre isto, mas quero que vocês saibam que isto é possível e que acredito, com certa ousadia, que teria o apoio dos familiares deste grande homem que foi o Valdo. Apoio não financeiro, mas de encorajamento e de participação neste possível projeto que torno público aqui.

Abraços e meus sinceros agradecimentos a vocês duas, Mara e Carolina, pelas palavras que registraram neste blog!

MARA 14 de maio de 2010 09:46  

Meu querido, se este sonho puder ser idealizado, e nós de alguma forma pudermos contribuir com ele, conte com nossa ajuda.
Que Deus esteja sempre a seu lado.
Abçs Mara e Carolina

Deijivan 15 de maio de 2010 04:01  

Muito obrigado Mara e Carolina! O apoio de vocês será imprescindível na realização deste sonho!

Valdo já está imortalizado na mente daqueles que o conheceram, como também através das suas obras e das suas ideias e através da internet. Resta agora espalharmos ainda mais a sua filosofia de vida e imortaliza-lo também na história da sétima arte!

Farei de tudo que estiver ao meu alcançe para concretizar este meu e nosso novo sonho!

MARA 4 de agosto de 2010 09:43  

Ola Deijivan como vai meu amigo, aguardo contato seu. Já iniciei o livro do Tio Valdo, como vc mesmo disse , nada fácil... mas com fé sei que vou conseguir.
Bjs Mara

Deijivan 5 de agosto de 2010 04:12  

Olá Mara! Que bom te rever por aqui!
Fico feliz em saber que deu início nesta louvável empreitada. Parabéns! E saiba que já estou ansioso para ver o resultado!!!
Quanto ao filme, a ideia permanece fixa em minha mente e pretendo começar os arranjos preliminares no final do ano, quando estarei fora do Brasil e terei a oportunidade de conversar sobre o projeto com algumas pessoas que poderão me auxiliar.
Quero que me mantenha informado sobre a sua obra literária!
Bjs e tudo de bom pra ti e para tua família!

MARA 25 de agosto de 2010 14:38  

Meu amigo, em janeiro/2011 estarei reunindo em minha casa (Curitiba/PR) um pequeno grupo, para que possamos nos conhecer, uma pessoa (Angela) mora na Alemanha e vai concluir o trajeto do tio, iniciando pela europa e terminando em Encenada, onde ele foi sepultado ... e os outros são alguns amigos que fizeram alguma viagem com ele, e alguns membros da familia.
E gostaria de poder contar com sua presença, será um grande prazer conhece-lo e te-lo entre nós. Já estou me programando, para que possa receber pessoas diferentes em minha casa como se estivessem em sua própria. Não tenho ainda a data certa, tudo vai depender da Angela que vem neste periodo. Mas confirmo com uma certa antecedencia.
Espero poder contar com voce entre este grupo.
Um abraço!

Postar um comentário

O que você tem a dizer sobre este assunto?

  ©Designe by Deijivan Productions.

TOPO