Creative Commons License
Todos os Textos do Blog de Deijivan Hanavan são licenciados sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil

SOBRE TANTAS COISAS

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Fiquei um bom tempo sem escrever por aqui e, neste ínterim, como não poderia ser ao contrário, a fila andou no Brasil e no mundo. Sem respeitar a ordem cronológica dos fatos, posso me recordar de alguns passos relevantes na fila de acontecimentos dos últimos dois meses: O fiasco do Brasil na Copa do Mundo; o efeito viral do “Cala a Boca Galvão”; enchentes no Nordeste; anistia na Espanha de exilados políticos cubanos; julgamento com pena de apedrejamento de uma mulher no Irã; eminência de uma nova guerra perpetrada pelos EUA; conflitos políticos entre a Colômbia e a Venezuela; vazamento de vídeos e documentos que comprovam ações militares dos EUA contra os direitos humanos de civis no Afeganistão; escândalos de dossiês supostamente elaborados pelo PT contra o PSDB e o ministro Mantega; declarações comprometedoras do vice do candidato à presidência do PSDB contra o PT; os primeiros nomes de políticos afastados da corrida eleitoral pela lei da Ficha Limpa; a briga comercial entre os gigantes da telefonia fixa e móvel no Brasil; o empurra-empurra e o rolo generalizado entre o Governo e a Prefeitura de São Paulo e a CBF e a FIFA sobre a questão dos estádios para a próxima Copa; as peripécias e palhaçadas ocorridas na investigação do caso Bruno, o quase ex-goleiro do Flamengo; a comprovação pelo TSE que nenhum candidato à presidência possui um Programa de Governo; a morte do grande Saramago; a segregação imposta pela lei radical contra os imigrantes clandestinos no Arizona; o erro tecnológico da antena do iPhone 4; a divulgação das fortunas que nossos políticos e candidatos guardam em espécie debaixo dos seus colchões; a odisséia hidráulica de três semanas trazida com a reforma forçada que tive que fazer no meu banheiro e, finalmente, a única notícia boa - a nudez de Cléo Pires e Larissa Riquelme na Playboy brasileira.


Se eu fosse escrever hoje sobre atualidades, o texto seria uma verdadeira colcha de retalhos! Retalhos desfigurados em grandes pedaços de pano de cores escuras e, isoladamente, um único retalho de cor alegre, graças à última notícia enumerada na lista acima!

Mas haveria também as rendas e babados que enfeitam a horrorosa colcha de retalhos. Estes, a exemplo do solitário retalho de cor alegre, também seguiriam em tons claros e vistosos. São estas alegorias e penduricalhos da grande colcha retalhada que representam as boas notícias mundiais que, infelizmente, não tiveram tanta repercussão nas mídias.

Falo de coisas boas para todos nós que, graças à ousadia e o avanço tecnológico e cientifico, trouxeram novas e gratificantes perspectivas para brasileiros e toda a população mundial.



Se a colcha de retalhos de fatos mediáticos que se produziu nesses dois últimos meses é suficientemente grande para cobrir duas camas king-size, as rendas que a circulam são feitas de poucos fatos de uma grandeza única. Começamos pela notícia que circulou rapidamente pela mídia entre os dias 16 e 17 de julho, informando a concretização de um projeto científico de baixo custo em parceria entre a nossa USP e a instituição de educação britânica King’s College. Com um investimento de apenas 200 mil reais, está sendo construído um laboratório em São Paulo que começará a operar em meados de 2011 e que abrigará o primeiro Banco de Células-Tronco Dentárias!


A idéia é fantástica e consiste em manipular dentes de leite, que são descartados naturalmente, extraindo as células-tronco e as colocando em cultivo, para que possam ser utilizadas por profissionais de saúde e pesquisadores do Brasil e da Inglaterra. Os estudos, que visam à transformação e especialização de células-tronco em outras células específicas na formação de praticamente qualquer órgão biológico, embora estejam avançados hoje em dia, ainda, infelizmente, esbarram em questões éticas de ordem religiosa, que insistem, através de um forte lobby, em promover posicionamentos idiotas e reacionários frente aos avanços científicos coerentes com as disposições de um Estado laico.


No caso das células-tronco dentárias, não existe este conflito ético, já que elas não advêm de um embrião humano. Assim, os dogmas religiosos só poderiam criar imposições se a horda de fanáticos inventasse uma imaginativa e ignóbil defesa dos direitos trabalhistas da Fada dos Dentes!


Da mesma forma que se procede os estudos com células-tronco embrionárias, as dentárias também possuem a mesma serventia, no que tange a reconstrução de órgãos e tecidos. O novo Banco de Células-Tronco Dentárias servirá ao mesmo propósito, além de se especializar na caracterização odontológica, podendo nos próximos quinze anos desenvolver técnicas totalmente inovadoras neste campo, que certamente irão mudar o cenário atual das técnicas de implante e estética dentária.


As versatilidades das células-tronco dentárias sugerem pelo menos três aplicações nesta área: restauração de tecidos dentais danificados; construção de biodente (o que seria uma terceira dentição ou o fim das dentaduras) e engenharia tecidual, pra reconstrução de tecidos e recuperação óssea. Além disso, o laboratório do Banco de Células-Tronco Dentárias se prestará ao estudo de outros tipos de células-tronco, ou seja, as que compõem a polpa dos dentes permanentes, da papila apical (tecido mole no final da raiz), do tecido periodontal (tecido que liga o dente ao osso) e a dos folículos dentários (tecido que recobre o dente antes de ele nascer). 


Para se ter uma idéia de como as técnicas já estão avançadas, o grupo pertencente ao King’s College já desenvolveu em 2004 a recriação de um dente inteiro, com todas as estruturas biológicas, inclusive o osso de suporte, alojado no rim de um camundongo, graças ao implante de células-tronco dentárias no órgão do animal, que foram alimentadas pelo fluxo sanguíneo do próprio órgão. Embora seja uma técnica invasiva de pesquisa, o espécime não sofreu nenhum problema de saúde e, agora, o próximo passo será repetir o experimento e em seguida extrair o dente e implantá-lo na arcada do animal.


Seguindo a mesma linha de avanço científico, foi noticiado pela mídia entre os dias 30 e 31 de julho, o primeiro teste de células-tronco embrionárias em uma pessoa. O feito não pertence aos brasileiros e sim aos americanos, que estão mais avançados no discurso ético-religioso. Mas, mesmo assim, constitui uma notícia espetacular para todos e, como não poderia deixar de ser, também faz parte da pequena grandiosa bainha que envolve a retumbante colcha de retalhos.


A notícia põe fim a uma novela que se arrastava desde agosto de 2009, quando a empresa americana Geron, de estudos genéticos, recebeu o aval da FDA, órgão que regula medicamentos e alimentos nos EUA, para a concretização do experimento, mas que, porém, teve a permissão revogada após a agência americana ter questionado o surgimento de cistos nos organismos de camundongos utilizados nas pesquisas preliminares.


Após longas argumentações e uma vez reconhecidos os riscos e o diferencial proposto nesta nova fase da pesquisa, em que humanos serão as cobaias, a FDA sancionou o experimento, que visa a reconstrução da medula espinhal de pessoas que sofreram lesões recentes na coluna.


De acordo com Thomas Okarma, presidente da Geron, até o final deste mês de agosto, terá início o recrutamento e a seleção de dez pacientes paraplégicos que tenham sofrido o acidente causador da paralisia menos de quinze dias antes do teste clínico, para receberem as células-tronco embrionárias e participarem do acompanhamento biomédico.


Na verdade, este experimento é mais um sistema de controle de como deverão agir as células-tronco implantadas na medula, do que um tratamento revolucionário. Os cientistas envolvidos não esperam a cura total através deste experimento. Eles sabem que ainda estão na fase inicial da pesquisa e a preocupação no momento é saber se haverá algum dano ao paciente, como a possibilidade do desenvolvimento de tumores no local do implante. Com isto, a Geron abre portas para todos os profissionais de pesquisa genética do mundo, inclusive os do Brasil, que estão acompanhando atentamente o desenrolar deste teste que, se correr tudo bem, será um divisor de águas na comprovação do potencial terapêutico das células-tronco embrionárias, segundo Stevens Rehen, especialista genético da nossa UFRJ.


Para finalizar, outra ótima notícia que circulou nos dois primeiros dias deste mês, anunciando a ressurreição de um antigo sonho brasileiro, o de possuir uma fábrica nacional de automóveis.


Desde o falecimento da Gurgel, poucos ainda apostavam no surgimento de uma nova fábrica nacional que produzisse veículos comerciais. Ricardo Machado, advogado carioca, foi um desses apostadores que abraçou a idéia de uma fábrica totalmente nacional.


Em 2001, com cerca de 10 milhões de reais nas mãos, fruto de um grande negócio imobiliário que havia fechado, Ricardo Machado procurou o renomado designer Anísio Campos, criador do histórico carro fora de série DKW Puma. Juntos criaram um minicarro urbano que utilizava um possante motor de 1.6 litros produzido pela Tritec, uma joint-venture da Chrysler e da BMW no Paraná, a mesma empresa que fornecia motores para a famoso Mini Cooper.


Entusiasmado com o projeto, batizou o carrinho com o nome de Obvio! (com o sinal de exclamação), inspirado em Nelson Rodrigues, autor da tese de complexo de vira-lata brasileiro e da frase “É o óbvio ululante”.


Para tocar a fábrica correu o Brasil em busca de investidores e descobriu que a empreitada seria muito difícil e, desanimado, pensou que poderia engordar as estatísticas que apontam que nos últimos trinta anos 112 montadoras de veículos fecharam as portas no Brasil, sendo que algumas nem mesmo conseguiram partir para a produção inicial.


Mesmo endividado após quase seis anos acreditando no projeto, no final de 2006 o advogado sonhador seguiu para os EUA e participou de sete salões de automóveis voltados às tecnologias limpas, apostando na incorporação de um novo motor flex. Por lá teve a sorte de conhecer executivos da empresa americana ZAP (Zero Air Pollution), que adquiriu 20% da participação capital da sua nova fábrica, num negócio de 2 milhões de dólares. A ZAP acreditava no formato elétrico do carrinho brasileiro e encomendou 50 mil unidades que até hoje não foram entregues.


Acontece que em 2007, a Titrec, fornecedora dos motores, fechou as portas deixando Ricardo Machado na mão. Com as dívidas acumuladas e um calote internacional na ZAP, ele resolveu vender a Obvio! no ano passado para a empresa nacional Vrooom, formada por executivos do setor elétrico, que almejava a produção do primeiro carro elétrico no país.


Mais uma reviravolta ocorreu no último dia 21 de julho, quando a Vrooom mudou de donos e foi incorporada pelo fundo de investimentos internacional da empresa européia Cappadocia Investments.


Depois deste novo cenário, a Cappadocia resolveu contratar Ricardo Machado para presidir a subsidiária do fundo no país. Obviamente ele comemorou muito e se surpreendeu por se encontrar novamente à frente do seu maior sonho: o lançamento de uma fábrica nacional de automóveis.


Agora está acontecendo uma disputa entre oito cidades para sediar a fábrica da Obvio!, que será no estado do RJ. Novamente nas rédeas do projeto e agora com mais poder, Ricardo Machado chamou o antigo parceiro, o designe Anísio Campos, hoje com 77 anos de idade, para refazer o projeto do veículo, que ganhou muito em modernidade tecnológica, incluindo chassi de alumínio, baterias de lítio/íon, motor elétrico de última geração com versões de 140 e 250 cavalos de potência, painel com computador de bordo processado por um iPad e um iPhone, com acesso à internet, GPS e conexão com a equipe de manutenção do Obvio!


O carrinho mede 2,75 metros, um metro a menos que o novo Uno e custará entre 60 e 120 mil reais, caso não se consiga fechar um acordo com o Governo para redução dos impostos da categoria de veículos elétricos, que hoje tem o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na faixa de 25%, em comparação com a alíquota destinada aos carros flex popular, que é de 7%. Caso haja uma renegociação não só na alíquota deste imposto, como também em outros encargos tributários e a produção anual chegue em 100 mil unidades, o nosso carrinho elétrico de alta tecnologia poderá chegar ao mercado pelo valor de 22 mil reais, o que seria uma dádiva para o consumidor!


Além disso, o Obvio! inovará com o seu sistema de vendas, que não será nada tradicional. Não haverá concessionárias e os veículos serão distribuídos pelas empresas de fornecimento de energia elétrica, através da aquisição de lotes de no mínimo 1000 carros, que serão revendidos a nós, consumidores, para pagamento em 80 meses. As parcelas serão cobradas na própria conta de energia. As companhias também serão responsáveis pela instalação de torres de recarga da bateria em postos de combustíveis. O consumidor poderá abastecer as baterias em casa, ligando uma tomada simples no veículo, ou poderão recarregá-las nos postos de combustível, com a vantagem de poderem utilizar tomadas especiais que diminuem o tempo de carregamento das baterias. Em casa durará 4 horas a carga completa e nos postos este tempo cairá para cerca de 55 minutos.


Com isto termino com esmero a colcha de retalhos e seus babados, tecida no curto (e ao mesmo tempo longo) período que fiquei ausente deste blog.

13 comentários:

FABIO VALIM ...sou mais EU me liga 10 de agosto de 2010 20:42  

Fabio Valim
logo vou escrever neste blog tambem

Deijivan 11 de agosto de 2010 03:18  

Olá Fábio, seja bem-vindo!
Sinta-se a vontade para comentar quando quiser, afinal este espaço é tão liberal e sem censuras quanto o do blog do Maroni.
Abraços!

Mulher na Polícia 11 de agosto de 2010 11:50  

Oi meu amigo sumido!!!

Que bom que voltou a postar...
Eu já achava que havias abandonado a gente.

Mas pelo que notei voltou com todo fôlego!
Wellcome back!

Beijos!
(Tava morrendo de saudades!)

Deijivan 12 de agosto de 2010 03:41  

Olá minha linda policial!!!

Sim, voltei! Nunca abandonaria este vício gostoso de escrever. A culpa da minha ausencia se deve à impossibilidade de se aumentar o nosso tempo diário de 24 para pelo menos 36 horas!

E saiba que também estava com saudades! Vou visitar seu blog agora mesmo!

Beijos, minha querida!

Sylvio de Alencar. 16 de agosto de 2010 09:59  

Há muito tempo não lia um post tãão longo.
Estive ontem aqui por ter achado seu comentario lá no Mulher muito... consencioso. Opniões sensatas, inteligentes, e espirituosas, são difíceis de se encontrar.

Pois bem, li até a parte aonde comentou sobre a estética feminina (fui lá checar que não sou de ferro), e saí, pensando que o post tinha acabado...
Voltando aqui hoje me surpreendi com a prolixidade de assuntos. Muito legal!!!!!

A noticia do dente..., das peripécias do Ricardo Machado (anísio Campos está vivo? Ôxe!) e do Obvio! (ótimo nome!!!), muito legal!!

Virei mais vezes.

Abração, e parabéns!

(A MUlher faz qualquer um sentir saudades...!) :)

Deijivan 18 de agosto de 2010 04:38  

Que bom te ver por aqui, Sylvio! Obrigado pela presença e pelos elogios!

Anísio Campos? kkkkkk Essa foi ótima! rs.

Volte sempre! Abraços e até mais!

Sylvio de Alencar. 20 de agosto de 2010 14:35  

Não pensei que estivesse vivo, pois já era beem adulto quando eu já assistia às corridas em Interlagos...
Legal!

Abrçs.

Anônimo 22 de agosto de 2010 20:41  

Eu deveria ter entrado nessa conversa, afinal, falou em automobilismo, falou comigo. Não por eu ser um expert no assunto, mas por gostar muito desse tema. Fui aluno do Expedito Marazzi, já falecido; fiz escola de pilotagem com ele e cheguei a tirar o PC (Carta de Piloto de Competição). Comprei um Maverick, daqueles de Turismo 5000, que corriam no anel externo de do autódromo de Interlagos... Bons tempos. Já quase trinta anos... Quando reativar minha oficia mecânica, depois de fazer uns cursos para a reciclagem de meus conhecimentos, quem sabe eu não venha a me envolver com competição (???). É fascinante esse mundo. Um curso de preparação de motores... Um curso de Piloto de Provas... Bem, pelo menos todos esses cursos eram oferecidos pelo Marazzi. Será que o filho dele, o Gabriel, continuou com a escolinha que oferecia todos esses cursos?... Coisas que deixam saudades.
C. S. O.

Deijivan 22 de agosto de 2010 21:44  

Sylvio, o apelido do grande Anísio Campos é "lenda viva". Vc acha que um homem que carrega este apelido desde os anos 50 vai morrer???? rs.

Brincadeiras a parte, o Anísio Campos é a referencia do automobilismo no Brasil. Tive a oportunidade de conhece-lo pessoalmente em 1997, quando o entrevistei para uma matéria que fiz sobre o motivo de ainda não termos uma fábrica de automóveis de verdade. Como ele mesmo disse à época, sempre dispomos de grandes gênios nesta área, mas nunca houve um respaldo legítimo de qualquer governo para viabilizar a indústria automobilística puramente nacional!

Como exemplo do nosso poder nesta área, posso citar a dupla de excelentes designers que publica os seus trabalhos no blog http://irmaododecio.blogspot.com

Este blog faz parte da minha lista de blogs que admiro (descrita no menu lateral deste blog).

Mesmo assim, Anísio Campos continua extremamente ativo, como ele mesmo mostra em sua autobiografia publicado no seu site: http://www.anisiocampos.com/bio.html

Espero que o Óbvio! prospere e faça renascer a possibilidade de adentrarmos no mundo da fabricação de automóveis. Ainda mais nos dias de hoje, em que Brasil é visto como um gigante comercial em todo o mundo.

Do grupo BRICs ( Brasil, Rússia, Índia e China ), somente nós ainda não temos uma fábrica nacional. Isto é uma vergonha para um país do nosso porte!

Abraços e volte sempre!

Deijivan 22 de agosto de 2010 22:29  

Caro C. S. O., fico feliz em saber que vc também é um admirador do grande Expedito Marazzi. Eis aí outra referencia do nosso automobilismo!

Nos anos 80, quando ainda era um adolescente, assinava a revista Motor3, que sempre trazia alguma matéria, análise ou teste feito por este grande jornalista e piloto. Guardo comigo muitos desses exemplares e às vezes folheio as páginas desta revista que marcou muito este período da minha vida. Na mesma época também assinava Duas Rodas, outra publicação maravilhosa, só que destinada ao mundo das motos.

Lembro-me que durante todo este tempo, entre os meus 12 e 17 anos de idade, eu sonhava em completar a maioridade para poder fazer o curso de pilotagem do Marazzi. Foi só quando completei 17 anos e, infelizmente, ele veio a falecer, que descobri que não havia restrição de idade para se fazer o curso!

O tempo passou e a minha vontade de ser piloto foi se apagando, mas a paixão por carros e velocidade se mantém até hoje.

Vc disse que teve um Maverick, um carro fantástico! Pois o meu primeiro carro, que comprei seis meses antes de completar 18 anos, foi um Opala 4.1, 6 cilíndros, câmbio de 4 marchas, com motor preparado de 350 cavalos (medido em Interlagos), ano 76 e que havia sido carro de stock car no começo dos anos 80. Tinha um aerofólio gigante, pneus 270/18 (rodas gauchas) e gaiola interna com bancos Recaro (adaptados), capô de fibra com entradas de ar e spoilers, teto-solar e instrumentação extra no painel. O antigo dono corria em Interlagos e guardava aquele Opala como relíquia.

Fiquei com esta jóia de carro durante 2 anos. Depois comprei um Fiat 147, porque a gasolina que o Opala gastava estava me falindo! rs.

É isso aí, amigo! Abraços e apareça mais vezes!

*P.S.: o site do Marazzi ( http://www.marazzi.com.br ) é mantido pelo Gabriel, que agora também escreve em um blog:
http://gabrielmarazzi.blogspot.com

Deijivan 22 de agosto de 2010 22:35  

Sylvio, cometi um equivoco: o blog
irmaododecio.blogspot.com não pertence a uma dupla de designers e sim a um designer, o Eduardo Oliveira.

Anônimo 23 de agosto de 2010 00:31  

Caro Deijivan, muito legal saber disso. Se você tiver a Motor 3 de Junho de 1982, verá um Maverick que eu comprei dele, do Expedito Marazzi. Nesse mesmo exemplar, saiu o teste do Gol Copa, do Grifon, da TZ350, cujo piloto foi Paulo Sérgio Castroviejo, se não me engano... Que mais?... Ah! E do Dardo, um carrinho esportivo com motor de Fiat, pelo que me lembro. O Grifon (ou Griffon) foi projetado pelos professores da Escola de Engenharia de São Carlos (Mario Bellato e... Não me lembro o nome do outro).... Eu acompanhei o Marazzi no dia do teste da TZ350 (mesmo dia em que foram feitos os outros testes). Lembro que o preparador pergutou se eu iria fazer o teste também; eu deveria ter dito que sim, pego a moto e ter saído a mil rs rs rs... Quando eu contei essa história para alguns amigos, todos disseram que fariam isso, que não perderiam a oportunidade de pilotar aquela máquina, mesmo que depois desse a maior merda rs rs rs... Lembro-me de algumas reuniões do pessoal do Turismo 5000, lá numa churrascaria do Estádio do Pacaembu (aqui perto de casa). Algumas ocorriam na Agro Motor, perto do PlayCenter... Camilo Cristófaro (Pai e filho; o primeiro, aposentado; o segundo, corria de Stock)... Roberto Carecão, da Colonial Polirrodas e Ney Faustine, ambos do 5000. Gabriel Marazzi também correu nessa categoria. E para quem gosta de carrões V8 de cinco mil centímetros cúbicos, vai se lembrar das reuniões na Avenida Cidade Jardim (final da Augusta, lé em baixo), num posto perto do restaurante Pandoro. Lá cheguei a ver um Maverick ‘octajet’, como agente dizia, com quatro carburadores Weber duplos. O proprietário do bólido? Era o Gelson. Outros donos de carrões bravíssimos: Alexandre Caiaan (ou sobre nome parecido), com seu Trans Am, com dois quadrijets (ou quatro duplos, não sei ao certo); Ricardo Malanga, da Brabo Competições, na Rua Pinheiros, com seu De Tomaso Pantera (pelo menos ele apareceu lá com um De Tomaso Pantera, poderia ser de algum cliente rs rs rs...). Os pegas na Praça Panamericana, em frente ao Jack in the Box... E na C.U. (não no CU rs rs rs...). Paulo Loco (era Loco mesmo), tava sempre por lá (depois virou empresário-colecionador; casou-se com Solange Frazão, é o pai da filha mais velha dela.), era figura carimbada, na área. Uma turminha boa. Acho que vamos bater um bom papo sobre o assunto. Qualquer dia, falo da primeira, e das primeiras, Quatro Rodas que adquiri.
Grande abraço.
C. S. O.

MARA 3 de novembro de 2010 17:24  

OLÁ MEU AMIGO, QUANDO NÃO VI MAIS SUAS POSTAGENS, ACHEI QUE EU HAVIA ME PERDIDO
MAS, FOI VC QUE SE AUSENTOU ...
Estou aqui para te fazer um convite, adoraria que pudesse aceitar, mas senão entenderei perfeitamente.
Dia 14/01/2011, faremos uma pequena reunião em minha casa (Curitiba) de amigos do Tio Valdo, alguns deles que fizeram alguma viagem com ele, outros que sonhavam em fazer e alguns parentes. Terá que ser esta data porque uma amiga nossa virá da Alemanha e se reunirá conosco.
Pode me dar a resposta no meu email, passarei por lá meu telefone e endereço.
Um abraço estarei o aguardo.
Mara.

Postar um comentário

O que você tem a dizer sobre este assunto?

  ©Designe by Deijivan Productions.

TOPO